Por Que é Difícil aos Ricos Entrar no Reino de Deus?
( 785 visitas )

Publicado em: 1/11/2011
Por: Jânio Santos de Oliveira
Presbítero e professor de teologia da Igreja Assembléia de Deus Taquara - Duque de Caxias- Rio de Janeiro
janio-estudosteolgicos.blogspot.com

Dificilmente um rico entrará no Reino dos céus. Então Jesus disse aos discípulos: “Digo-lhes a verdade: Dificilmente um rico entrará no Reino dos céus.

E lhes digo ainda: É mais fácil passar um camelo pelo fundo de uma agulha do que um rico entrar no Reino de Deus” (Mt 19.23-24)

"E Jesus, vendo-o assim triste, disse: Quão dificilmente entrarão no reino de Deus os que têm riquezas!" (Lc 18.24)

Sem dúvida que este assunto é um dos mais mal compreendidos em nossa sociedade ocidental. E antes que o leitor prossiga, gostaria de deixar claro que este texto não visa a defesa do acúmulo de riquezas e nem a defesa da assim chamada "teologia da prosperidade". Nosso objetivo é discorrer sobre a fiel interpretação destas palavras do Senhor Jesus e sua vasta aplicabilidade a imensos segmentos sociais.

O paradoxo da agulha
E outra vez vos digo que é mais fácil um camelo passar pelo fundo duma agulha, do que entrar um rico no reino de Deus. (Mt 19:24)

O que Jesus queria dizer com a expressão “passar um camelo pelo fundo de uma agulha”?
“As palavras ‘passar um camelo pelo fundo de uma agulha’ são uma expressão proverbial semelhante a várias outras usadas no mundo antigo para descrever uma impossibilidade”
Em Mateus 19:16-30; Mc 10:17-31; Lc 18:18-30) aparecem o relato do jovem rico, que não conseguiu se desvencilhar de suas posses materiais, e as declarações de Cristo sobre o perigo das riquezas.

Depois que o jovem “retirou-se triste”, Cristo afirmou: “Em verdade vos digo que um rico dificilmente entrará no reino dos céus. E ainda vos digo que é mais fácil passar um camelo pelo fundo de uma agulha do que entrar um rico no reino de Deus” (Mt 19:22-24).

Alguns comentaristas bíblicos procuraram minimizar o efeito paradoxal da expressão “passar um camelo pelo fundo de uma agulha” reinterpretando o significado dos termos “camelo” e “fundo de uma agulha”. Por exemplo, há quem diga que a palavra “camelo” se refira aqui não ao próprio animal conhecido por esse nome, mas a um “cabo” ou “corda” de navio.

Os defensores dessa teoria se baseiam no fato de que alguns manuscritos bíblicos, produzidos vários séculos depois de Cristo, trazem nesse verso a palavra “cabo” em vez de “camelo”.

Como no original grego os termos “camelo” (kámelos) e “cabo” (kámilos) possuem certa semelhança entre si, é provável que alguns copistas e tradutores do Novo Testamento tenham substituído intencionalmente o termo “camelo” por “cabo”.

Outra teoria popular pretende identificar o “fundo de uma agulha” com uma suposta portinhola lateral nos muros de Jerusalém, pela qual passavam os pedestres quando os grandes portões daquela cidade já estavam fechados.

Embora as portinholas de algumas cidades mais recentes da Síria fossem denominadas de “olho da agulha”, não existem evidências de que esse era o caso com Jerusalém nos dias de Cristo. Como a teoria da portinhola surgiu séculos depois de Cristo, não cremos que Ele a tivesse em mente no texto em consideração.

As palavras “passar um camelo pelo fundo de uma agulha” são, sem dúvida, uma expressão proverbial semelhante a várias outras usadas no mundo antigo para descrever uma completa impossibilidade. Mesmo na literatura judaica posterior aparecem alusões ao “elefante” como incapaz de passar pelo fundo de uma agulha.

Sendo que os discípulos estavam bem mais familiarizados com o camelo do que com o elefante, Cristo decidiu contrastar o maior dos animais da Palestina (o camelo) com o menor dos orifícios conhecidos na época (o fundo de uma agulha).

As tentativas de interpretar o “camelo” como um cabo e o “fundo de uma agulha” como uma portinhola acabam enfraquecendo, portanto, a força do argumento de Cristo.

O texto de Mateus 19:16-30 deixa claro que o propósito de Jesus era levar Seus discípulos a entender a completa impossibilidade de alguém, semelhante ao jovem rico, ser salvo enquanto ainda apegado às suas riquezas. O problema não está nas riquezas em si, mas no apego indevido a elas. Mas quando o ser humano aceita o convite à renúncia de si mesmo (ver Mt 16:24-26), aquilo que é “impossível aos homens” se torna possível ao poder transformador da graça divina (Mt 19:26).

A maneira como nós encaramos os pobres e os necessitados ao nosso redor será um dos principais critérios pelos quais seremos julgados. Quando ouvimos “rico” pensamos em empresários e banqueiros com limusine e apartamento de cobertura. Na verdade, se você está lendo esta reflexão num computador, é bem provável que, comparado ao resto do mundo, você é rico.

Cerca de um sexto da humanidade, 1 bilhão e 100 milhões de pessoas, sobrevivem com menos de um dólar por dia. A figura do camelo e do fundo de uma agulha, apesar da persistente lenda teológica, não se refere a um portão estreito na muralha de Jerusalém.

De fato Jesus quis dizer o que a figura sugere – é praticamente impossível um rico entrar no Reino de Deus. O propósito do Senhor é justamente de deixar os ricos (inclusive nós) desconfortáveis. O conforto que a riqueza traz, mesmo um pouco de riqueza, é um entorpecente para a alma.

Precisamos acordar e olhar, não para quem mora na cobertura, mas para quem mora no barraco. Ambos estão longe de nós. Nossa tendência é olhar para cima e pensar quão pouco temos, quando devíamos olhar para baixo e ver quanto temos a mais que nossos irmãos pobres, os outros filhos de Deus.

Quem está acima de nós na escala econômica pode parecer distante, mas, quem está em baixo, está mais distante ainda. De acordo com Jesus, o olhar para baixo mostrará algo importante sobre quão próximos ou quão longe estamos do Reino de Deus. Será que estamos olhando na direção certa? Será que estamos vendo o que Jesus vê?

Não foi em uma única ocasião que o Senhor Jesus Cristo teceu críticas ao comportamento de homens ricos, antes encontramos notáveis paralelos em Seu Evangelho, como por exemplo, nesta espetacular passagem em Lucas 12:

"Então, lhes recomendou: Tende cuidado e guardai-vos de toda e qualquer avareza; porque a vida de um homem não consiste na abundância dos bens que ele possui. E lhes proferiu ainda uma parábola, dizendo: O campo de um homem rico produziu com abundância.

E arrazoava consigo mesmo, dizendo: Que farei, pois não tenho onde recolher os meus frutos? E disse: Farei isto: destruirei os meus celeiros, reconstruí-los-ei maiores e aí recolherei todo o meu produto e todos os meus bens.

Então, direi à minha alma: tens em depósito muitos bens para muitos anos; descansa, come, bebe e regala-te. Mas Deus lhe disse: Louco, esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será? Assim é o que entesoura para si mesmo e não é rico para com Deus." Lucas 12:15-21

Uma análise deste trecho bíblico nos pode fazer chegar bem próximos das razões pelas quais poucos ricos entrarão no Reino de Deus, segundo o Evangelho.

Vejamos que na alegria e nas prioridades do homem rico da parábola acima muitos planos havia, porém nada que dissesse respeito a Deus. Isto sem falar no pecado de se confiar em riquezas deixando de pôr a confiança n‘Aquele que tem em sua mão a autoridade sobre as nossas almas e sobre toda a existência.

"Por que hei de eu temer nos dias da tribulação, quando me salteia a iniqüidade dos que me perseguem, dos que confiam nos seus bens e na sua muita riqueza se gloriam?" Salmos 49:5,6

Confiar nas riquezas ao invés de confiar em Deus é uma atitude de incredulidade, de covardia e de rebelião. A História está mais do que repleta de exemplos de homens e de mulheres cujo fim foi trágico e sobremaneira triste, a despeito das riquezas que possuíam.

"Ora, havia certo homem rico que se vestia de púrpura e de linho finíssimo e que, todos os dias, se regalava esplendidamente.

Havia também certo mendigo, chamado Lázaro, coberto de chagas, que jazia à porta daquele; e desejava alimentar-se das migalhas que caíam da mesa do rico; e até os cães vinham lamber-lhe as úlceras.

Aconteceu morrer o mendigo e ser levado pelos anjos para o seio de Abraão; morreu também o rico e foi sepultado. No inferno, estando em tormentos, levantou os olhos e viu ao longe a Abraão e Lázaro no seu seio.

Então, clamando, disse: Pai Abraão, tem misericórdia de mim! E manda a Lázaro que molhe em água a ponta do dedo e me refresque a língua, porque estou atormentado nesta chama. Disse, porém, Abraão: Filho, lembra-te de que recebeste os teus bens em tua vida, e Lázaro igualmente, os males; agora, porém, aqui, ele está consolado; tu, em tormentos."( Lc 16:19-25)

A arrogância e a soberba! São esses os principais motivos de os ricos dificilmente entrarem no Reino de Deus.

Vemos no comportamento do rico mencionado pelo Senhor Jesus uma total ausência e falta de misericórdia para com os mais pobres e para com o sofrimento alheio. Este trecho bíblico mostra que Lázaro desejava se alimentar das migalhas que caíam da mesa do rico.

E a Bíblia registra "desejava", pois Lázaro não chegava a se alimentar das sobras da mesa daquele homem arrogante, apenas desejava. Até mesmo os cães que lhe lambiam as feridas tinham um comportamento mais adequado diante do estado de Lázaro, mesmo sem possuírem entendimento. Isto também foi registrado a fim de que possamos ver a monstruosidade do comportamento daquele rico arrogante.
E sua soberba e excessivo amor próprio, em oposição à misericórdia, nos é revelada por Deus ao tomarmos conhecimento de que aquele homem, cujo nome deliberadamente nem sequer é mencionado, "se vestia de púrpura e de linho finíssimo e que, todos os dias, se regalava esplendidamente."

Se traçarmos um paralelo entre os seguintes trechos bíblicos poderemos entender a questão em muito maior profundidade: Lc cap.12,18; 1 Tm 6 e Tg 2:

"Entretanto, vós outros menosprezastes o pobre. Não são os ricos que vos oprimem e não são eles que vos arrastam para tribunais?" (Tg 2.6)

Deus concedeu, e concede, riquezas a quem Ele deseja, o que inclui homens de Deus do passado e do presente, como Abraão, Isaque, Jacó, Jó, Noé, Salomão, Davi, José de Arimatéia e tantos outros. O que Deus abomina, quer seja nos ricos ou nos pobres, é a arrogância, a altivez de espírito, a soberba e a perversidade, marca registrada na história de muitos homens e mulheres cujo quinhão é desta vida.

E a despeito de haver muitos pobres arrogantes e alguns ricos humildes de espírito, é verdade que os traços da arrogância, da agressividade e da perversidade são muito mais facilmente encontrados entre os que possuem riquezas. Basta olharmos à nossa volta.

A maneira como nós encaramos os pobres e os necessitados ao nosso redor será um dos principais critérios pelos quais seremos julgados. Quando ouvimos “rico” pensamos em empresários e banqueiros com limusine e apartamento de cobertura. Na verdade, se você está lendo esta reflexão num computador, é bem provável que, comparado ao resto do mundo, você é rico.

Precisamos acordar e olhar, não para quem mora na cobertura, mas para quem mora no barraco. Ambos estão longe de nós.

Nossa tendência é olhar para cima e pensar quão pouco temos, quando devíamos olhar para baixo e ver quanto temos a mais que nossos irmãos pobres, os outros filhos de Deus.

Quem está acima de nós na escala econômica pode parecer distante, mas, quem está em baixo, está mais distante ainda.

De acordo com Jesus, o olhar para baixo mostrará algo importante sobre quão próximos ou quão longe estamos do Reino de Deus. Será que estamos olhando na direção certa? Será que estamos vendo o que Jesus vê?

Ainda que não seja impossível, é difícil que os ricos entrem no Reino de Deus. A Bíblia diz em Marcos 10:23-25 “Então Jesus, olhando em redor, disse aos seus discípulos: Quão dificilmente entrarão no reino de Deus os que têm riquezas! E os discípulos se maravilharam destas suas palavras; mas Jesus, tornando a falar, disse-lhes: Filhos, quão difícil é [para os que confiam nas riquezas] entrar no reino de Deus! É mais fácil um camelo passar pelo fundo de uma agulha, do que entrar um rico no reino de Deus.” O amor ao dinheiro é a raiz de muitos males.

A Bíblia diz em 1 Timóteo 6:10 “Porque o amor ao dinheiro é raiz de todos os males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé, e se traspassaram a si mesmos com muitas dores.”

O contentamento não depende da quantidade de dinheiro ou possesões materiais.

A Bíblia diz em Filipenses 4:12-13 “Sei passar falta, e sei também ter abundância; em toda maneira e em todas as coisas estou experimentado, tanto em ter fartura, como em passar fome; tanto em ter abundância, como em padecer necessidade. Posso todas as coisas naquele que me fortalece.”

Onde investimos o nosso dinheiro, aí estará o nosso coração. A Bíblia diz em Mateus 6:21 “Porque onde estiver o teu tesouro, aí estará também o teu coração.”