Coloque o WebServos como sua página inicial!
Online: 253
  .:: Canais ::.
 ::: Início :::
 Sinais dos Tempos
 Reflexões
 Evangelísticas
 Estudos Bíblicos
 Espaço Jovem
 Música & Louvor
 Artigos de Louvor
 Webservos Shop
 WebServos Sites
 Igrejas OnLine
 Folhetos Virtuais
 Cartões Postais
 Pedido de Oração
 Intercessores
 Testemunhos
 Recomendação
 Quem Somos



 
 
Armadura do cristão - A Couraça da Justiça
( 4176 visitas )

Publicado em: 27/7/2006
Por: José Antônio Corrêa
Igreja Evangélica Batista de Viradouro - Viradouro/SP
pr.correa@proveg.com.br
 

Ef 6.14

A segunda peça da armadura cristã é a couraça da justiça. Se a verdade de Deus, assim como nos é revelada em Cristo, forma o fundamento da vida e da integridade cristã, com certeza, essa vida deve estar protegida pela couraça da justiça.

Em sua preparação para os combates, os soldados romanos se aparavam com uma grande peça de metal que cobria desde ao pescoço até a coxa, com o objetivo de proteger os órgãos vitais nas sangrentas batalhas contra seus inimigos. A couraça dos soldados romanos pode ser comparada ao colete à prova de balas utilizado pelos militares no mundo moderno.

Embora a vida cristã não possa ser protegida por uma peça de metal, de couro ou de qualquer outro material, ela pode contar com proteção da “justiça” que tem sua origem e significação no Deus de poder.

QUEREMOS VER COMO PAULO FALA DESSA JUSTIÇA, DE QUE MANEIRA É REVELADA E RECEBIDA, MAS AO MESMO TEMPO, VER QUAIS SÃOS OS BENEFÍCIOS QUE ELA PODE TRAZER PARA AQUELES QUE A POSSUEM

Textos:

a) A justiça de Deus é revelada a nós através do evangelho, Rm 1.16-17, “16 Pois não me envergonho do evangelho, porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê, primeiro do judeu e também do grego; 17 visto que a justiça de Deus se revela no evangelho, de fé em fé, como está escrito: O justo viverá por fé”.

b) Pelo seu sacrifício na cruz, Cristo se tornou para nós “justiça”, sabedoria, santificação e redenção, 1 Co 1.30, “Mas vós sois dele, em Cristo Jesus, o qual se nos tornou, da parte de Deus, sabedoria, e justiça, e santificação, e redenção”.

c) Através da remoção do pecado, fomos feitos “justiça de Deus”, 2 Co 5.21, “Aquele que não conheceu pecado, ele o fez pecado por nós; para que, nele, fôssemos feitos justiça de Deus”.

Não podemos nos esquecer que a justiça é um dos atributos divinos:

Textos:

a) Ele se “veste” de justiça, Is 59.17, “Vestiu-se de justiça, como de uma couraça, e pôs o capacete da salvação na cabeça; pôs sobre si a vestidura da vingança e se cobriu de zelo, como de um manto”.

b) Ele manifestou sua justiça em tempos passados, mas também no tempo presente, Rm 3.26, “tendo em vista a manifestação da sua justiça no tempo presente, para ele mesmo ser justo e o justificador daquele que tem fé em Jesus”.

c) Ele é o “justo juiz”, que nos coroará com a “coroa da justiça”, quando de sua manifestação em glória, 2 Tm 4.8, “Já agora a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, reto juiz, me dará naquele Dia; e não somente a mim, mas também a todos quantos amam a sua vinda”.

d) Podemos contar com esta verdade na revelação de Cristo, para nos resgatar do pecado, Rm 1.16-17, “16 Pois não me envergonho do evangelho, porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê, primeiro do judeu e também do grego; 17 visto que a justiça de Deus se revela no evangelho, de fé em fé, como está escrito: O justo viverá por fé”.

e) Foi ainda através dessa justiça revelada em Cristo, que Deus nos trouxe a justificação pela fé, Rm 3.25-26, “25 a quem Deus propôs, no seu sangue, como propiciação, mediante a fé, para manifestar a sua justiça, por ter Deus, na sua tolerância, deixado impunes os pecados anteriormente cometidos; 26 tendo em vista a manifestação da sua justiça no tempo presente, para ele mesmo ser justo e o justificador daquele que tem fé em Jesus” – Certamente Ele nos declarou justos, justificados, através do perdão de nossos pecados. Assim, mediante a justiça de Cristo, podemos nos relacionar de maneira correta com do Deus Pai. Com toda certeza, jamais poderá existir maior proteção contra as artimanhas do Diabo do que o fato de cultivarmos um relacionamento correto com Deus.

f) Tendo Cristo como nossa justiça, é tê-LO como nossa couraça. Ao permanecemos em Deus, debaixo da justiça de Cristo, sendo sempre fiel à graça salvadora de Deus, é declarar ao maior inimigo de nossas almas, o diabo as verdade de Rm 8.31-34: “31 Que diremos, pois, à vista destas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós? 32 Aquele que não poupou o seu próprio Filho, antes, por todos nós o entregou, porventura, não nos dará graciosamente com ele todas as coisas? 33 Quem intentará acusação contra os eleitos de Deus? É Deus quem os justifica. 34 Quem os condenará? É Cristo Jesus quem morreu ou, antes, quem ressuscitou, o qual está à direita de Deus e também intercede por nós”.

COMO ESTA RELAÇÃO CORRETA COM DEUS DEBAIXO DE SUA JUSTIÇA, PODERÁ SER OBSERVADA NA VIDA DO CRENTE?

Textos:

a) Não devemos ser mais “instrumentos de iniqüidade”, mas “instrumentos de justiça”, Rm 6.10-14, “10 Pois, quanto a ter morrido, de uma vez para sempre morreu para o pecado; mas, quanto a viver, vive para Deus. 11 Assim também vós considerai-vos mortos para o pecado, mas vivos para Deus, em Cristo Jesus. 12 Não reine, portanto, o pecado em vosso corpo mortal, de maneira que obedeçais às suas paixões; 13 nem ofereçais cada um os membros do seu corpo ao pecado, como instrumentos de iniqüidade; mas oferecei-vos a Deus, como ressurretos dentre os mortos, e os vossos membros, a Deus, como instrumentos de justiça. 14 Porque o pecado não terá domínio sobre vós; pois não estais debaixo da lei, e sim da graça”.

b) A justiça, através de um correto relacionamento com Deus, só pode nos levar a uma vida correta. Ao nos tornarmos discípulos do Mestre Jesus, nossa vida precisará ser coerente com o caráter dEle, caso contrário, nossas ações serão incompatíveis com a fé que pregamos. Seremos semelhantes aos religiosos do tempo de Jesus, advertidos severamente por Ele: “Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque sois semelhantes aos sepulcros caiados, que, por fora, se mostram belos, mas interiormente estão cheios de ossos de mortos e de toda imundícia!”, Mt 23.27. Sendo justos, devemos ser semelhantes a Cristo e andar em obediência, assim como Ele foi obediente ao Pai. Devemos andar em retidão moral, vivendo uma vida correta e integra, testemunhando do amor de Cristo.Armadura do cristão - A Couraça da Justiça


Você se sentiu tocado ao ler esta mensagem ?
Então CLIQUE AQUI !
   

 

 

 

  .::: Sinais dos Tempos :::.
  .:: Boletins ::.
Receba boletins atualizados
do Portal Webservos:


  .:: Enquete ::.
•    Quem Somos    •

Página aberta em: 0,016 segundos

Usuários de Hoje: 12151



Melhor visualisado no Internet Explorer com resolução de 800x600

:: WebServo :: Portal Gospel de Evangelismo Virtual
Desenvolvimento e Coordenação de:
Enéas T. de Oliveira
--=(-wëbsèrvö-)=--