Coloque o WebServos como sua página inicial!
Online: 331
  .:: Canais ::.
 ::: Início :::
 Sinais dos Tempos
 Reflexões
 Evangelísticas
 Estudos Bíblicos
 Espaço Jovem
 Música & Louvor
 Artigos de Louvor
 Webservos Shop
 WebServos Sites
 Igrejas OnLine
 Folhetos Virtuais
 Cartões Postais
 Pedido de Oração
 Intercessores
 Testemunhos
 Recomendação
 Quem Somos



 
 
Não suporto POBRE!!
( 1879 visitas )

Publicado em: 20/3/2007
Por: Pastor Elcio Lourenço
Igreja Batista Shalom - Brasília - DF
pastorelcio2007@yahoo.com.br
 

Não suporto POBRE!!
Ao ler este título, muitos o irão considerá-lo de mau gosto, e, por que não, afastado da sua realidade, afinal, lá no fundo de nossa mente, consideramos válidas as campanhas que se dirigem contra os preconceitos e defendemos atos de natureza social. Mas qual é realidade prática?

Não seria necessário ir muito longe, bastaria uma avaliação dos meios de comunicação, jornais, revistas, TV, rádio, ou mesmo da internet, para observar que existe um abismo cada vez maior entre ricos e pobres. Notícia deste mês de fevereiro de 2007, da “Folha on line”, falava de milhares de crianças morrendo, diariamente, de fome.

Enquanto isso, é veiculado que ricos e famosos gastam milhões em festas de casamento, celulares cravejados de brilhantes, carros folheados a ouro, iates, aviões e muitas outras coisas, em uma lista que praticamente não tem fim.

Infelizmente, não é uma diferença simples, em que alguns têm o “suficiente” enquanto outros passam “apertos”, pois falamos de um comparativo de bilhões versus centavos.

Como engenheiro, atuei na função de negociador do Governo do Distrito Federal junto ao Banco Mundial, isso há cerca de 30 anos, ocasião em que fui questionado pelos técnicos da entidade que perguntavam “...se os moradores da periferia não atacavam aqueles do Plano Piloto, em razão da pobreza dos primeiros e riqueza dos últimos”, tudo isso identificado por eles em visitas aos locais do DF. E veja que estamos falando de algo somente parcial, e não absoluto.

Na minha infância, como órfão, pude sentir diretamente a condição do “não ter” e do “não ser”.

Em não poucas vezes somente tínhamos comida oferecida pelos outros e estes, apesar de seu gesto prático louvável, demonstravam verdadeiro asco de nós, como se nossa pobreza fosse uma doença.

Mais tarde, tendo superado essa condição de carência e, graças à bênção de Deus, conseguido um diploma de nível superior, não deixei de contemplar situações constrangedoras, tanto para mim como para meus colegas de profissão.

Em uma certa ocasião, no começo de minha carreira, quando realizava um trabalho de engenharia para o presidente de uma grande empresa estatal, me foi oferecido um pequeno presente, “pelo meu bom desempenho”.

Simpático, sem dúvida, mas como haveria uma festa na casa aquela noite, ao final da tarde este se dirigiu a mim com as seguintes palavras: “Estou para receber um pessoal de alto nível, pegue o seu presente e saia pela portas dos fundos, para que não o vejam!” Certamente o presente passou a ter gosto de humilhação e não de reconhecimento pelo trabalho feito.

Seria possível discorrer sobre tal tema com considerações seculares e atuais, mas nossa posição nos estudos e meditações precisa ter um lastro mais sólido, ou seja, “qual é a posição divina sobre a matéria?” É sobre isso que bem nos informa as Escrituras.

Salomão, que despendeu muito de sua existência para observar a realidade humana, nos deixa algumas lições claras:

“O pobre é aborrecido até do seu companheiro, mas os amigos dos ricos são muitos”.
“O que despreza o seu companheiro peca, mas o que se compadece dos humildes é bem aventurado.”(Pv 14:20-21) (guarde este texto, pois voltaremos a abordá-lo).

“O pobre fala com rogos, mas o rico responde com dureza”. (Pv 18:23).

Um episódio do Novo Testamento nos mostra a forma pela qual todos que seguiam Jesus tentaram afastar dele um homem que era cego e “pobre”:

“E aconteceu que, chegando ele perto de Jericó, estava um cego assentado junto ao caminho, mendigando”.
“E, ouvindo passar a multidão, perguntou que era aquilo”.
“E disseram-lhe que Jesus Nazareno passava”.
“Então clamou, dizendo: Jesus, Filho de Davi, tem misericórdia de mim”.
“E os que iam passando repreendiam-no para que se calasse, mas ele clamava ainda mais: Filho de Davi tem misericórdia de mim”... (Lc 18: 35-43);(Mt 20:29-34; Mc 10:46-52).

A combinação da pobreza e da deficiência física grave colocava aquele homem em uma posição de total desvantagem, pois não tinha os recursos e nem os meios para vir a obtê-los.

Estava ele em pior situação do que aquele paralítico cujos amigos fizeram descer pelo telhado, uma vez que a casa estava tão cheia que não podiam entrar pela porta (Lc 5: 7-26).

Ao contrário, Jesus era a única esperança daquele homem, mas a multidão de pessoas que o cercavam, com visão, com capacidade de enfrentar a vida, não queriam que o “pobre” chegasse perto e o repreendiam, como que dizendo, “você é cego e, além disso, não se enxerga”, “não importune o Mestre que tem mais o que fazer”. Típica reação com os que estão lá em baixo, esquecida a recomendação de Paulo de “quem está em pé olhe para não vir a cair” (I Cor 10:12).

Naturalmente eles não levaram em conta que uma das principais partes da missão de Jesus era “levar o evangelho aos pobres” (Mt 1:5), e o resultado final da história foi uma conversa aberta entre o enfermo e Cristo, e sua cura maravilhosa, o que moveu a todos que estavam por ali.


A posição de recusa, discriminação e desagrado para com os “pobres” está completamente fora da visão divina para com o homem (pois ele vê o coração: I Sm 16:7).

“Pois o Senhor vosso Deus é o Deus dos deuses, e o Senhor dos senhores, o Deus grande e poderoso e terrível, que não faz acepção de pessoas, nem aceita recompensas”.(Dt 10:17).

“E, abrindo Pedro a boca, disse: Reconheço por verdade, que Deus não faz acepção de pessoas”.(Atos 10:34)

Deus determinou um tratamento igualitário, respeito e apoio para com os pobres desde os tempos da lei e reafirma isto na graça.

“Quando também segares a sega da vossa terra, o canto do seu campo não segarás totalmente, nem as espigas caídas colheras da tua sega”.
“Semelhantemente não rabiscarás a tua vinha, nem colherás os bagos caídos da tua vinha: deixá-los-ás ao pobre e ao estrangeiro: Eu sou o Senhor vosso Deus”. (Lv 19:9-10).

Quem plantou e cuidou certamente terá o interesse de aproveitar tudo, e isso acontece em nossos dias, quando guardamos coisas que nem mais usamos, pois, afinal, pagamos algo por elas um dia.

A norma da lei proibia que se fizesse uma “repescagem” da colheita. O que ficou para trás, ficou, e os “pobres” iriam se aproveitar disso para subsistir.

Foi isso que aconteceu com Rute no campo de Boaz, que viria a ser seu marido e um ascendente de Jesus (Rt 2:1-7; Mt 1:5). Da mesma forma as dívidas pagas com o trabalho, de servo de alguma pessoa, expiravam em sete anos e com isso ocorria a liberdade, para que não houvesse exploração dos menos afortunados:

“Ao fim dos sete anos farás remissão.”...
...“Somente para que entre ti não haja pobre: pois o Senhor abundantemente te abençoará na terra que o Senhor teu Deus te dará por herança, para possuí-la.”... (Dt 15:1-23).

No Novo Testamento, vejamos as palavras do apóstolo Tiago sem bem enfáticas sobre a questão da discriminação para com os desvalidos:

“Meus irmãos, não tenhais a fé de nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor da glória, em acepção de pessoas”.
“Porque, se no vosso ajuntamento entrar algum homem com anel de ouro no dedo, com vestidos preciosos, e entrar também algum pobre com sórdido vestido”.
“E atentares para o que traz vestido precioso, e lhe disserdes: Assenta-te tu aqui num lugar de honra, e disserdes ao pobre: Tu fica ali em pé, ou assenta-te abaixo do meu estrado.”
“Porventura não fizeste distinção dentre vós, mesmos, e não vos fizestes juízes de maus pensamentos?”
“Ouvi, meus amados irmãos: Porventura não escolheu Deus aos pobres deste mundo para serem ricos na fé, e herdeiros do reino que prometeu aos que o amam?” (Tg 2:1-5).

Não estamos aqui, de forma alguma, procurando apresentar uma “teologia da recuperação dos pobres”, “uma vez que eles sempre irão existir na terra”:

“Pois nunca cessará o pobre do meio da terra: pelo que te ordeno, dizendo: Livremente abrirás a tua mão para teu irmão, para o teu necessitado, e para teu pobre na tua terra.” (Dt 15:11).

...“Porque sempre tendes os pobres convosco, e podeis fazer-lhes bem, quando quiserdes; mas a mim nem sempre me tendes...” (Mc 14:3-9)

Nem estamos dando um mérito à pobreza associado à idéia de que os salvos são tirados dentre os pobres, pois a prosperidade do justo é promessa real.

Tudo o que o justo fizer prosperará: Salmos 1:1-6
O justo nunca estará em necessidade ou mendigará pão: Salmos 37:25.
A ovelha do Senhor de nada terá falta: Salmos 23:1.
Jesus promete vida abundante global: João 10:10.
Deus, com Jesus, nos oferece tudo: Rm 8:32

Na realidade, o justo tanto pode ser “relativamente pobre” como “relativamente rico”, ou meramente “equilibrado”, como nos mostram os exemplos bíblicos:

Abraão foi rico (Gn 13:1-9).
Jó foi rico, ficou pobre, voltou a ser mais rico ( Jó:1:1-3 e 42:10-17).
Salomão foi muito rico (I Rs 4:1-28).
José foi muito bem colocado e não sendo rico tinha acesso irrestrito as glórias do Egito (Gn 44:38-57).
Daniel andou com Deus e seu poder no reino da Babilônia foi mantido durante o comando de vários mandatários (Dn 4 a 12).
Elias, grande homem de Deus, foi sempre pobre (I Rs 17: 1-24).
Eliseu, sucessor de Elias foi pobre (II Rs 4:38-41).
Pedro, como a maioria dos discípulos, era pobre (Mt 4:10-22).
Jesus, o rei dos reis, não tinha reino na Terra (Lc 9:58).
João Batista era pobre (Mc 1:6)

Certamente a qualificação e o esforço de cada um, sempre associados à benção divina (Sl 127:1-4), estabelecem situações várias, sendo a preguiça e o desinteresse trazidos também à ponderação pelo sábio Salomão.

“Vai ter com a formiga, ó preguiçoso: olha para os seus caminhos, e sê sábio”. (Pv 6:6).

“O que trabalha com mão enganosa empobrece, mas a mão dos diligentes enriquece”. (Pv 10:4).

“O preguiçoso não lavrará por causa do inverno, pelo que mendigará na sega, e nada receberá”. (Pv 20:4).

“Um pouco de sono, adormecendo um pouco, encruzando as mãos outro pouco, para estar deitado”.
“Assim sobrevirá a tua pobreza como ladrão, e a tua necessidade como um homem armado”. (Pv 24: 33-34).

“Quem observa o vento, nunca semeará, e o que olha para as nuvens nunca segará”. (Ecl 1:4)

Ninguém admite a preguiça, mas, infelizmente, temos no homem a vontade inerente de superar a determinação divina registrada em Gênesis de que deveria obter resultados materiais para seu sustento com o suor do rosto (Gn 3:17-19), sendo o “trabalhador digno de sua retribuição” (Lc 10:7), e o micróbio do “amor às riquezas e a demonstração do poder vem contaminando a muitos”.

As pessoas não se contentam em ter o necessário, nem em sobejo, mas precisam pensar que são os únicos, os tais, e que as suas posses lhes permitem “passar sobre os outros”, primordialmente sobre os “pobres”, que passam a ser humilhados e explorados.

“Depois voltei-me, e atentei para toda a opressão que fazem debaixo do sol; e eis que vi as lágrimas dos que foram oprimidos e dos que não têm consolador; e a força estava da banda dos seus opressores; mas eles não tinham nenhum consolador”. (Ecl 4:1).

“Se vires em alguma província opressão de pobres, e a violência em lugar do juízo e da justiça, não te maravilhes de semelhante caso; porque o que mais alto é do que os vossos altos para isso atenta; e há mais altos do que eles.” (Ecl 5:8)

“Manda aos ricos deste mundo que não sejam altivos, nem ponham a esperança na incerteza das riquezas, mas em Deus, que abundantemente nos dá todas as coisas para delas gozarmos”. (I Tm 6: 17).

“Mas vós desonrastes o pobre. Porventura não vos oprimem os ricos, e não vos arrastam aos tribunais?”
“Porventura não blasfemam eles o bom nome que sobre vós foi invocado?” (Tg 2:6)

Jesus nos trás a parábola do rico e do Lázaro que identifica a diferença que existe entre esses dois segmentos de pessoas, irmãos e compatriotas de um mesmo país, de uma mesma cidade ou bairro:

“E havia um homem rico, e vestia-se de púrpura e de linho finíssimo, e vivia todos os regalado e esplendidamente”.
“Havia também um certo mendigo, chamado Lázaro, que jazia cheio de chagas à porta daquele.”
“E desejava alimentar-se com migalhas que caíam da mesa do rico; e os próprios cães vinham lamber-lhe as chagas.”
“E aconteceu que o mendigo morreu, e foi levado pelos anjos para o seio d’Abraão; e morreu também o rico, e foi sepultado”.
“E no Hades, ergueu os olhos, estando em tormentos, e viu ao longe Abraão, e Lázaro no seu seio”.
“E, clamando, disse: Pai Abraão, tem misericórdia de mim, e manda a Lázaro que molhe na água a ponta de seu dedo e me refresque a língua, porque estou atormentado nesta chama”.
“Disse, porém, Abraão: Filho, lembra-te de que recebeste os teus bens em tua vida, e Lázaro somente males; e agora é consolado e tu atormentado”.
“E, além disso, está posto um grande abismo entre nós e vós, de sorte que os que quiserem passar daqui para vós não poderiam, nem tão pouco de lá passar para cá.” ... (Lc 16: 19-31)
Esta parábola já foi objeto de muitas meditações, pregações, estudos e reflexões, tendo dado margem a interpretações corretas e incorretas.

Como já nos referimos, riqueza e pobreza não são elementos de salvação, Cristo é o único que nos confere esta graça (Atos 4:12), e não são obras que nos redimem, mas o sangue do Cordeiro (Rm 3:20; Gl 2:16; Ap 22:14). Porém, quem é salvo em Jesus tem o fruto do Espírito (Gl 5: 22), e, por isso, não age como o rico da estória.

Alguns pontos podem ser anotados a respeito dessa narrativa do Mestre:

A – O pobre e o rico viviam no mesmo local, estando o primeiro à porta do segundo.
B – O rico não tinha somente para o seu sustento, mas aproveitava de todas as coisas supérfulas e se “regalava” com elas.
C – Não restam dúvidas de que o rico sabia da existência do pobre, mas ele não iria se “rebaixar”, tomando qualquer iniciativa a seu favor.
D – O pobre queria comer os “restos” do rico, mas nem isso lhe foi dado.
E – O rico não “partilhou” de nada que tinha com o pobre, e, por isso, não estabeleceu uma “cumplicidade”, uma “parceria” com ele.
F – Terminada a jornada terrestre, o rico queria “partilhar” do que o pobre usufruía, mas cabe ao homem viver uma vez, e, depois, somente o juízo, sem chances novas (Hb 9:27).
G – Ao dizer que é salvo, a pessoa precisa ver como agir, pois somos sal da terra e luz do mundo (Mt 5:13-16), de forma que nosso viver deve levar os homens a glorificar a Deus e não a recusá-lo (Mt 5:16).

Essa questão é deveras antiga. Aquele jovem que procurou a Jesus em busca do caminho para a vida eterna, embora correto em praticamente tudo, recuou quando lhe foi proposto quer “deixasse sua riqueza” e se unisse a um grupo de homens simples, cujo líder não tinha onde reclinar a cabeça (Mc 10: 17-31; Mt 8:20).

Davi fala a respeito das pessoas de alta posição e das pobres e simples e considera que ambas, por si mesmas, nada mais são que vaidade (Sl 62:9), mas que existe maior valor na sabedoria do que na riqueza( Pv 19:1; Pv 28:6; Ecl 4:13).

Eis, pois, algo que nos convida a uma reflexão profunda. Será que ter a prosperidade na Terra vai, efetivamente, estabelecer uma diferença para com Deus no grande dia do Senhor?

Para tal questão não existe uma resposta isolada, pois o que se pretende é o “equilíbrio” diante de Deus, com a busca prioritária do Reino (Mt 6:33) e a conseqüente benção material, na qual, contudo, não é permitido colocar o coração, como o rico insensato (Lc 12:13-21).

Se as riquezas aumentam não coloque nelas o coração: Sl 62:10.
Nada é especificamente seu: Fp 2:4.

O texto citado sobre o rico insensato mostra que para que sejamos ricos, e mesmo assim espiritualmente abençoados, precisamos estabelecer uma compensação que nos faça ricos na Terra e também diante de Deus na eternidade:

“Assim é aquele que para si ajunta tesouros, e não é rico diante de Deus”. (Lc 12:21).

Mais uma vez o rei Salomão nos mostra essa situação de “equilíbrio”, quando formula um interessante pedido ao Senhor:

“Duas coisas te pedi: não mas negues, antes que morra;”
“Afasta de mim a vaidade e a palavra mentirosa; não me dês nem a pobreza nem a riqueza: mantém-me do pão da minha porção acostumada”
Para que porventura de farto te não negue, e diga: Quem é o Senhor? Ou que, empobrecido, não venha a furtar, e lance mão do nome de Deus.”(Pv 30: 7-9).

Se a lição da Palavra de Deus, sobre avareza, a soberba e a opressão para com os outros, foi devidamente registrada, não basta que digamos: “Mas eu não prejudico ninguém e não defraudo ninguém, assim estou isento”.

A orientação divina vai mais longe e nós sabemos que temos certas coisas a fazer e não podemos omiti-las:

“Aquele, pois, que sabe fazer o bem e o não faz, comete pecado” (Tg 4:17).

Aqui há duas coisas, colocadas pela Palavra, que podem ser de grande ajuda para nossa vida material de forma associada com aquela, mais importante, a espiritual.

1- Para os que são salvos e atuam em uma igreja é preciso lembrar que o maior apoio que se pode dar a alguém é levá-lo ao conhecimento de Cristo. Isso pode ocorrer diretamente, por meio de sua ministração, conforme ordenou Jesus (Mc 16:15), ou por meio de sua contribuição, com alegria, em dízimos e ofertas que apóiem pessoas com ministérios específicos (Ml 3:10; II Cor 9:7).

2. O primeiro tópico é relativamente comum e alguns até se vangloriam, como fez aquele fariseu (Lc 18:9-14). Está correto e é rico em bênçãos, mas deixa espaço para uma outra prática, extremamente importante, a ajuda ao próximo.

Embora não se possa atribuir qualquer mérito de salvação para a denominada “caridade” ou mesmo “beneficência”, a atitude de “amor ao próximo” (João 13:35; Mt 22:39; Rm 13:9; I João 4:20) possui não poucas considerações nas Escrituras:

A - Jesus fala sobre aqueles que deram de beber e comer e visitaram os pobres, doentes e necessitados.

“Então dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos do meu Pai, possuí por herança o reino que está preparado desde a fundação do mundo.”
“Porque tive fome, e deste-me de comer, tive sede e deste-me de beber; era estrangeiro, e hospedastes-me;”
“Estava nu, e vestiste-me; adoeci, e visitastes-me; estive na prisão, e fostes ver-me”.
“Então os justos lhe responderão, dizendo: Senhor, quando te vimos com fome, e te demos de comer? Ou com sede e te demos de beber?”
“E quando te vimos estrangeiro, e te hospedamos? E nu e te vestimos?”
“E quando te vimos enfermo, ou na prisão, e fomos ver-te?”
“E, respondendo o Rei, lhes dirá: Em verdade vos digo que, quando fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizeste.”...
...“Então eles também responderão, dizendo: Senhor, quando te vimos com fome, ou com sede, ou estrangeiro, ou nu, ou enfermo, ou na prisão, e não te servimos?”
Então lhes responderá, dizendo: Em verdade vos digo que, quando a um destes pequeninos o não fizeste, não o fizestes a mim”. (Mt 25: 31-46).

Observe que os que haviam agido bem não estavam convencidos ou sequer cientes disso, ou seja, agiram de acordo com a recomendação de Jesus, sem alarde, por amor, de forma natural e costumeira (Mt 6: 1-4).

Como consideração adicional, podemos lembrar o que Jesus falou a respeito dos “pobres de espírito”, que não são pessoas de mente fraca, como aventam alguns, mas aqueles que precisam de apoio que não é material, mas espiritual, que caem freqüentemente em dificuldades, e estão dispostos receber ajuda se lhes for oferecida. (Como crianças, de quem é o reino dos céus: Mc 10:14)

“Bem aventurados os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus”. (Mt 5:3)

Este é um campo no qual a maioria das pessoas não quer penetrar e se afasta logo que vê alguém com problemas, fraco ou caído. Paulo, porém, nos dá uma lição quando diz:

“Fiz-me fraco para com os fracos, para ganhar os fracos. Fiz-me tudo para com todos, para por todos os meios chegar a salvar alguns”. (I Cor 9:22).

Podemos pensar que, se eles são bem aventurados, não há o que possamos acrescentar, cabendo somente a Deus suas restaurações, mas há outro ensinamento na história de Jô:
“E o Senhor virou o cativeiro de Jó, quando orava pelos seus amigos; e o Senhor acrescentou a Jó outro tanto o dobro a tudo quanto dantes possuía”.
“Então vieram a ele todos os seus irmãos e todas as suas irmãs e tidos quantos dantes o conheceram, e comeram com ele pão em sua casa, e se condoeram dele, e o consolaram de todo o mal que o Senhor lhe havia enviado; e cada um deles lhe deu uma peça de dinheiro, e cada um um pendente de ouro. (Jô 42: 10-17)

Observe:

A- Jó era justo e o que passou foi uma experiência originária da luta nos lugares celestiais (Ef 6 ).
B- Durante todo o livro que relata sua provação não se fala de “irmãos ou irmãs ou de variados amigos”.
C- Estes personagens que “dantes o conheceram” provavelmente se afastaram dele quando ficou pobre e doente.
D- Deus lhe ofereceu o livramento “quando orou por seus amigos”, mas as pessoas que o visitaram lhe deram “um dinheiro e um pendente de ouro”, que certamente contribuíram para refazer sua fortuna.

Tiago nos define a “verdadeira religião” como a fuga do mundo e a atenção para os necessitados.

“A religião pura e imaculada para com Deus, o Pai, e esta: Visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações, e guardar-se da corrupção do mundo”. (Tg 1:27)

Cornélio foi um homem não judeu, que ainda não havia aceito a Cristo, mas Deus viu suas “orações e esmolas” e mandou buscar a Pedro para lhe trazer a mensagem de salvação:

“E havia em Cesaréia um varão por nome Cornélio, centurião da coorte chamada italiana”.
“Piedoso e temente a Deus, com toda a sua casa, o qual fazia muitas esmolas ao povo, e de contínuo orava a Deus”.
“Este, quase a hora nona do dia viu claramente numa visão um anjo de Deus, que se dirigia para ele e dizia: Cornélio”.
“O que fixando os olhos nele, muito atemorizado, disse: Que é Senhor? Eu disse-lhe: As tuas orações e as tuas esmolas têm subido para memória diante de Deus.”
“Agora, pois, envia homens a Jope, e manda chamar a Simão, que tem por sobrenome Pedro”.... (Atos 10: 1-48).


Tabita era mulher que apoiava os pobres, e quando veio a morrer, Deus a ressuscitou:

“E havia em Jope uma discípula chamada Tabita, que traduzido se diz Dorcas. Esta estava cheia de boas obras e esmolas que fazia.”
“E aconteceu naqueles dias que, enfermando ela, morreu; e, tendo-a lavado, a depositaram num quarto alto”....
...“Mas Pedro, fazendo-as sair a todas, pôs-se de joelhos e orou: e, voltando-se para o corpo, disse: Tabita, levanta-te. E ela abriu os olhos, e vendo a Pedro assentou-se”... (Atos 9:32-42)

Deus fala ao povo de Israel, sobre algo que se aplica a nós, deixando de lado o valor das práticas rituais, como o jejum, mas determina o atendimento ao próximo e faz uma promessa linda a esse respeito:

...“Seria este o jejum que eu escolheria: que o homem um dia aflija a sua alma, que incline a sua cabeça como o junco, e estenda debaixo de si saco e cinza? Chamarias tu a isto jejum e dia aprazível ao Senhor?”
“Porventura não é este o jejum que escolhi? Que soltes as ligaduras da impiedade, que desfaça as ataduras do jugo? E que deixes livres os quebrantados e despedaces todo o jugo?”
“Porventura não é também que repartas o teu pão com o faminto, e recolhas em casa os pobres desterrados? E, vendo o nu, o cubras, e não te escondas da tua carne?”
“Então romperá a tua luz como a alva, e a tua cura apressadamente brotará, e a tua justiça irá adiante da tua face, e a glória do Senhor será a tua retaguarda”.
“Então clamarás, e o Senhor te responderá: gritarás, e ele dirá: Eis-me aqui: se tirardes do meio de ti o jugo, e estender do dedo, e o falar vaidade”.
“E se abrires a tua alma ao faminto, e fartares a alma aflita: então a tua luz nascerá nas trevas, e a tua escuridão será como o meio dia”.
“E o Senhor te guiará continuamente, e fartará a tua alma em lugares secos, e fortificará os teus ossos, e serás como um jardim regado, e como um manancial, cujas águas nunca faltam”... (Isaías 58: 1-12)

Veja que não temos como “erradicar a pobreza”, pois isso, conforme a palavra bíblica já anotada, é uma utopia cada vez mais distante nos dias atuais, mas suprir o faminto, com parte do que Deus nos deu, é o objetivo.

Por mais de uma vez a ordem de Deus fala em “despedaçar o jugo”, ou seja, tirar de sobre os oprimidos o peso esmagador que os coloca cada vez mais lá embaixo.

Fala-se de hospedar pessoas que não têm onde ficar, e as Escrituras nos advertem que muitas vezes, ao hospedarmos uma pessoa pobre e simples, estamos hospedando “anjos” (Hb 13:2-3). Isso não significa colocar pessoas em nossa casa, mas tratá-las como o Samaritano tratou o homem ferido: Lc 10:25-37.

Quando fazemos algo por alguém estamos nos qualificando para receber parte do galardão daquela pessoa, que pode ser um grande servo de Deus, como aconteceu com a viúva que apoiou Elias (I Rs 17: 8-16).

“Quem vos recebe, a mim me recebe; e quem me recebe a mim, recebe aquele que me enviou.”
“Quem recebe um profeta em qualidade de profeta, receberá galardão de profeta; e quem recebe um justo em qualidade de justo, receberá galardão de justo.”
“E qualquer que tiver dado só que seja um copo de água fria a um destes pequenos, em nome de discípulo, em verdade vos digo que de modo algum perderá o seu galardão.” (Mt 10:40-42).

A verdadeira diferença entre os homens não está em nada que possuam, pois todos precisam respirar, se alimentar, ter sonhos. O que conta é a atitude real de uns para com os outros, pois essa tem um registro na eternidade.



Estudo bíblico de autoria de Pr. Elcio Lourenço – Pastor desde 1968 –

Você se sentiu tocado ao ler esta mensagem ?
Então CLIQUE AQUI !
   

 

 

 

  .::: Sinais dos Tempos :::.
  .:: Boletins ::.
Receba boletins atualizados
do Portal Webservos:


  .:: Enquete ::.
•    Quem Somos    •

Página aberta em: 0,016 segundos

Usuários de Hoje: 11900



Melhor visualisado no Internet Explorer com resolução de 800x600

:: WebServo :: Portal Gospel de Evangelismo Virtual
Desenvolvimento e Coordenação de:
Enéas T. de Oliveira
--=(-wëbsèrvö-)=--