Coloque o WebServos como sua página inicial!
Online: 262
  .:: Canais ::.
 ::: Início :::
 Sinais dos Tempos
 Reflexões
 Evangelísticas
 Estudos Bíblicos
 Espaço Jovem
 Música & Louvor
 Artigos de Louvor
 WebServos Sites
 Igrejas OnLine
 Folhetos Virtuais
 Cartões Postais
 Pedido de Oração
 Intercessores
 Testemunhos
 Recomendação
 Quem Somos



 
 
O custo do nosso resgate
( 4767 visitas )

Publicado em: 29/3/2007
Por: José Antônio Corrêa
Igreja Evangélica Batista de Viradouro - Viradouro/SP
ibvir@hotmail.com
 


1 PE 1.18-23, “18 sabendo que não foi mediante coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados do vosso fútil procedimento que vossos pais vos legaram, 19 mas pelo precioso sangue, como de cordeiro sem defeito e sem mácula, o sangue de Cristo, 20 conhecido, com efeito, antes da fundação do mundo, porém manifestado no fim dos tempos, por amor de vós 21 que, por meio dele, tendes fé em Deus, o qual o ressuscitou dentre os mortos e lhe deu glória, de sorte que a vossa fé e esperança estejam em Deus. 22 Tendo purificado a vossa alma, pela vossa obediência à verdade, tendo em vista o amor fraternal não fingido, amai-vos, de coração, uns aos outros ardentemente, 23 pois fostes regenerados não de semente corruptível, mas de incorruptível, mediante a palavra de Deus, a qual vive e é permanente”.

INTRODUÇÃO:

1) Inicialmente, precisamos entender que para haver o resgate de alguém, este alguém precisa estar preso, seqüestrado, sob situação de risco. É o que acontece num seqüestro, onde o seqüestrador exige determinada quantia para soltar sua vítima. A vítima somente é liberada após o pagamento do resgate, ou quando a polícia descobre o cativeiro e liberta o seqüestrado, com a prisão, ou não, dos seqüestradores, ou ainda, numa hipótese remota, quando o seqüestrado foge do cativeiro e da mão dos bandidos.

2) Em nosso caso, fomos seqüestrados e presos pelo diabo através da queda de Adão, a qual trouxe à raça humana o pecado e a maldição. Olhe o que Paulo nos diz acerca do efeito desastroso da queda: “Portanto, assim como por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado, a morte, assim também a morte passou a todos os homens, porque todos pecaram”, Rm 5.12. Não precisamos dizer que antes de conhecer ao Senhor pela Palavra, estávamos sob o domínio da “morte”.

3) No texto bíblico em questão, o apóstolo Pedro usa a expressão: “fútil procedimento que nossos pais nos legaram”. Tal expressão não é utilizada por acaso! Com ela, Pedro tinha em mente a situação pecaminosa em que vivíamos antes de ser resgatados pela ação de Cristo na cruz. Porém graças a Deus fomos resgatados! Vejamos:

“ALGUMAS PARTICULARIDADES DE NOSSO RESGATE POR CRISTO”

I. NOSSO RESGATE NÃO ACONTECEU MEDIANTE O PAGAMENTO DE QUALQUER VALOR MONETÁRIO

1) Como já vimos em nossa introdução, qualquer seqüestrado somente poderá ser libertado mediante três situações: ou pela ação da polícia que intervêm no cativeiro, ou mediante o pagamento de um valor monetário estipulado pelo seqüestrador, ou ainda pela fuga do seqüestrado. Caso não aconteça uma destas três opções, aquele que está preso poderá acabar morto e seu corpo jogado em qualquer lugar. Lembramos aqui do caso de uma mulher seqüestrada em Campinas/SP, cujo resgate não foi pago, e que acabou sendo vítima da morte pelas mãos dos bandidos. Ainda por ironia do destino, ou por pura maldade dos seqüestradores, seu corpo sem vida foi jogado nas proximidades de sua residência.

2) Como vivíamos prisioneiros do diabo e do pecado pela maldição impetrada em Adão correndo risco de morte, sem poder fazer nada por conta própria, precisávamos também ser resgatados, mediante o pagamento de um preço. Quem tinha interesse em nossa libertação e resgate era o Deus Criador e o preço deveria ser pago por Ele. Porém, Pedro afirma que o preço pago não foi uma soma monetária em “prata ou ouro”.

II. NOSSO RESGATE CUSTOU O SANGUE DO CORDEIRO DE DEUS

1) O resgate pelo sangue já acontecia no Velho Testamento, quando uma vítima (um animal, normalmente um cordeiro, ou um novilho) era imolado, morto, como expiação pelo pecado: “Também cada dia prepararás um novilho como oferta pelo pecado para as expiações; e purificarás o altar, fazendo expiação por ele mediante oferta pelo pecado; e o ungirás para consagrá-lo”, Êx 29.36. O escritor da Carta aos Hebreus advertiu sobre a necessidade do sangue na expiação do pecado: “Com efeito, quase todas as coisas, segundo a lei, se purificam com sangue; e, sem derramamento de sangue, não há remissão”, Hb 9.22.

2) Um detalhe importante é que para o sacrifício, era exigido um animal perfeito, ou seja, sem qualquer defeito físico, sob o risco da oferta pelo pecado não ser aceita pelo Senhor, sendo também rejeitado o pecador: “Se a sua oferta for holocausto de gado, trará macho sem defeito; à porta da tenda da congregação o trará, para que o homem seja aceito perante o SENHOR”, Lv 1.3.

3) Ao ser imolado Cristo, o “Cordeiro de Deus” (Jo 1.29), cumpriu todas as exigências legais. Senão vejamos:

a) Como “Cordeiro de Deus”, Cristo foi apresentado para o sacrifício sem defeito, sem mácula. Temos no texto dois termos importantes: o termo “amwmov (amomos)”, significando “sem defeito”, “sem mancha” e o termo “aspilov (aspilos)”, com o significado de “limpo”, “livre de censura”, “impecável”, “livre de vício”, “puro”. Assim como o cordeiro destinado ao sacrifício precisava ser sem defeito, assim também Cristo, não teve qualquer defeito moral que o tornasse incapaz de realizar nossa redenção. No dizer do escritor da Carta aos Hebreus, Jesus “...foi ele tentado em todas as coisas, à nossa semelhança, mas sem pecado”, Hb 4.15. Esta é a natureza do salvador enviado por Deus. Possuía todas as qualificações necessárias para operar nosso resgate.

b) Como “Cordeiro de Deus”, Cristo se tornou conhecido antes da fundação do mundo. Isto significa que o resgate divino foi planejado antes mesmo da criação do homem e da queda de Adão. Conhecendo os fatos antes deles vierem à tona, o Deus Onisciente, Pré-Ciente, pode separar o que tinha de mais precioso, o Filho amado, para buscar e salvar o pecador: “Porque o Filho do Homem veio buscar e salvar o perdido”, Lc 19.10. Falando do projeto da salvação idealizado pelo Senhor em tempos passados, Paulo também escreveu: “...assim como nos escolheu nele antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis perante ele; e em amor”, Ef 1.4.

c) Como “Cordeiro de Deus”, Cristo ressuscitou dentre os mortos. Como o pecado que nos tornou “escravos”, tem como recompensa a “morte” (“...porque o salário do pecado é a morte...”, Rm 6.23), o Salvador idealizado por Deus deveria ser vencedor diante da morte. Tal evidência ficou clara nas ressurreições realizadas pelo Senhor (filho da viúva de Naim (Lc 7.11-16), filha de Jairo (Mc 5.38-43), Lázaro (Jo 11), e também na sua própria ressurreição (Jo 20). A ressurreição do Senhor é a doutrina mais importante do Cristianismo. Sem ela, segundo Paulo, “...é vã a nossa pregação, e vã, a vossa fé; e somos tidos por falsas testemunhas de Deus, porque temos asseverado contra Deus que ele ressuscitou a Cristo, ao qual ele não ressuscitou, se é certo que os mortos não ressuscitam”, 1 Co 15.14-15.

d) Como “Cordeiro de Deus”, Cristo foi manifestado no “final dos tempos”. A palavra “manifestar” significa “tornar visível ou conhecido o que estava escondido ou desconhecido”, “revelar o oculto”. Já a expressão “final dos tempos”, embora possa se referir à primeira vinda de Jesus, ao nascer pelo Espírito Santo no ventre de Maria, também pode ser aplicada à segunda vinda do Senhor. É certo que Jesus se manifestará no “final dos tempos” para buscar sua Igreja, ao mesmo tempo em que tratará duramente com todos aqueles que recusaram obedecê-LO. Ver 2 Ts 1.7-9, “7 e a vós outros, que sois atribulados, alívio juntamente conosco, quando do céu se manifestar o Senhor Jesus com os anjos do seu poder, 8 em chama de fogo, tomando vingança contra os que não conhecem a Deus e contra os que não obedecem ao evangelho de nosso Senhor Jesus. 9 Estes sofrerão penalidade de eterna destruição, banidos da face do Senhor e da glória do seu poder”.

5) Como “Cordeiro de Deus”, Cristo será glorificado. Esta glorificação já aconteceu em parte, de acordo com o ensino de Paulo, aos filipenses: “6 pois ele, subsistindo em forma de Deus, não julgou como usurpação o ser igual a Deus; 7 antes, a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo, tornando-se em semelhança de homens; e, reconhecido em figura humana, 8 a si mesmo se humilhou, tornando-se obediente até à morte e morte de cruz. 9 Pelo que também Deus o exaltou sobremaneira e lhe deu o nome que está acima de todo nome, 10 para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, nos céus, na terra e debaixo da terra, 11 e toda língua confesse que Jesus Cristo é Senhor, para glória de Deus Pai”. Porém, ela haverá de ser consumada na sua integralidade, quando Ele for devidamente coroado por Deus como “Rei dos Reis e Senhor dos senhores” (Ap 19.16): “O sétimo anjo tocou a trombeta, e houve no céu grandes vozes, dizendo: O reino do mundo se tornou de nosso Senhor e do seu Cristo, e ele reinará pelos séculos dos séculos”, Ap 11.15.

III. NOSSO RESGATE NOS COLOCOU NUMA NOVA POSIÇÃO DIANTE DE DEUS E DOS HOMENS

1) Nossas almas foram purificadas, através da obediência à verdade.

a) Para a expressão “tendo purificado”, temos no original o termo grego “agnizw (hagnizo)” – “tornar puro”, “purificar”, “limpar”. O termo era aplicado principalmente nas purificações cerimoniais. A purificação era uma “cerimônia para tornar puro ou limpo um objeto, um lugar ou uma pessoa a fim de poderem ser usados ou tomar parte no culto de adoração a Deus” (Bíblia Online, Módulo Avançado V, Versão 3.0, SBB). Este termo aparece em Atos 21.26, onde Paulo cumpre um ritual de purificação nos moldes do Antigo Testamento para justificar aos judeus a sua não traição aos costumes judaicos: “Então, Paulo, tomando aqueles homens, no dia seguinte, tendo-se purificado com eles, entrou no templo, acertando o cumprimento dos dias da purificação, até que se fizesse a oferta em favor de cada um deles”.

b) Porém, no texto em questão, Pedro afirma que a purificação verdadeira somente acontece pela “obediência à verdade”. Ao obedecermos a Palavra de Deus, que é a verdade, somos purificados e nos tornamos aptos para ser cidadãos do reino. Quando Jesus praticava a cerimônia do “lava-pés”, um tipo de ritual de purificação judaica, Pedro insistindo que Ele lhe lavasse não somente os pés, mas também a cabeça, o mestre asseverou: “Quem já se banhou não necessita de lavar senão os pés; quanto ao mais, está todo limpo. Ora, vós estais limpos...”, Jo 13.10. Mais adiante, no mesmo evangelho Jesus complementa: “Vós já estais limpos pela palavra que vos tenho falado”, Jo 15.3. Temos o mesmo conceito em Efésios 5.26-27, quando Paulo fala a respeito da situação da igreja de Cristo, agora redimida: “26 para que a santificasse, tendo-a purificado por meio da lavagem de água pela palavra, 27 para a apresentar a si mesmo igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, porém santa e sem defeito”.

c) Na teologia de Pedro, a ação de purificação pela Palavra de Deus, ocorre paralelamente com a “regeneração” – “Tendo purificado a vossa alma ... fostes regenerados não de semente corruptível, mas de incorruptível, mediante a palavra de Deus”, vs. 22-23. O termo “regeneração” vem do grego “anagennaw (anagennao)”, que tem como significado: “renascer”, “nascer de novo”. Ninguém poderá se tornar filho de Deus e entrar para o seu reino, sem passar pelo novo nascimento. Esta foi a argumentação de Jesus em seu diálogo com Nicodemos – “...Em verdade, em verdade te digo que, se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus”, Jo 3.3. Algo de suma importância que precisamos compreender, é que este novo nascimento não é carnal, mas espiritual: “Respondeu Jesus: Em verdade, em verdade te digo: quem não nascer da água e do Espírito não pode entrar no reino de Deus. O que é nascido da carne é carne; e o que é nascido do Espírito é espírito”, Jo 3.5-6. É a ação do Espírito Santo pela Palavra de Deus no coração do homem que provoca o novo nascimento. A partir no novo nascimento nos tornamos santuários do Espírito Santo, 1 Co 3.16, “Não sabeis que sois santuário de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós”. É por este motivo que Paulo declara: “Vós, porém, não estais na carne, mas no Espírito, se, de fato, o Espírito de Deus habita em vós. E, se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse tal não é dele”, Rm 8.9.
2) Reconhecendo o fato de que fomos regenerados através da Palavra de Deus, devemos agora amar intensamente nossos irmãos. Podemos afirmar sem sombra de dúvidas, que o verdadeiro amor fraternal somente pode existir na vida daquele que foi regenerado e purificado através da Palavra. O que nos deixa tristes é o fato de vermos entre o povo chamado “povo de Deus” a impraticabilidade desse tipo de amor. Porém se estamos dispostos a obedecer a Palavra de Deus, devemos insistir em praticá-lo. O escritor da Carta aos Hebreus, recomendou: “Seja constante o amor fraternal” (Hb 13.1), e Paulo escrevendo aos tessalonicenses, nem julgou necessário estender muitas recomendações acerca da prática do amor fraterno quando disse: “No tocante ao amor fraternal, não há necessidade de que eu vos escreva, porquanto vós mesmos estais por Deus instruídos que deveis amar-vos uns aos outros”, 1 Ts 4.9.

CONCLUSÃO:

Ao concluir esta mensagem, devemos refletir:

1) Grande foi o nosso resgate! Vivíamos sob o domínio do diabo e escravizados pelo pecado, sem qualquer possibilidade de escapar de tal situação por nós mesmos. No entanto, Deus interveio mediante Jesus e nos “...libertou do império das trevas e nos transportou para o reino do Filho do seu amor, no qual temos a redenção, a remissão dos pecados”, Cl 1.13-14.

2) Agora resgatados, salvos, colocados numa posição segura – “...e, juntamente com ele, nos ressuscitou, e nos fez assentar nos lugares celestiais em Cristo Jesus”, Ef 2.6 – devemos amar intensamente nossos irmãos em Cristo. Devemos lembrar que o amor ao irmão nos é imposto como “mandamento” de Deus: “20 Se alguém disser: Amo a Deus, e odiar a seu irmão, é mentiroso; pois aquele que não ama a seu irmão, a quem vê, não pode amar a Deus, a quem não vê. 21 Ora, temos, da parte dele, este mandamento: que aquele que ama a Deus ame também a seu irmão”, 1 Jo 4.21.


Você se sentiu tocado ao ler esta mensagem ?
Então CLIQUE AQUI !
   

 

 

 

  .::: Sinais dos Tempos :::.
  .:: Boletins ::.
Receba boletins atualizados
do Portal Webservos:


  .:: Enquete ::.
•    Quem Somos    •

Página aberta em: 0,000 segundos

Usuários de Hoje: 14835



Melhor visualisado no Internet Explorer com resolução de 800x600

:: WebServo :: Portal Gospel de Evangelismo Virtual
Desenvolvimento e Coordenação de:
Enéas T. de Oliveira
--=(-wëbsèrvö-)=--