Online: 406
 
 
A Intercessão eficaz
( 8231 visitas )

Publicado em: 3/7/2004
Por: Edson Oliveira
Presbiteriana Independente - Rio de Janeiro/RJ
edsoniq@uol.com.br
 


    Estamos no capítulo doze do livro de Atos dos Apóstolos. A Igreja, a essa altura, já está cumprindo a maior parte da ordem do Senhor Jesus e se preparando para enviar os primeiros missionários para além-mar.

    No começo deste capítulo, vemos Herodes Agripa I matando a Tiago, irmão de João e um dos doze discípulos. Vendo que tal atitude agradara aos Judeus, prendeu a Pedro, um dos três pilares da Igreja (Gl 2: 9).

    Ao longo da Bíblia, vemos homens de Deus que na hora das dificuldades não se lamentaram, não murmuraram, não blasfemaram, não colocaram a culpa em Deus. Apenas oraram. Da mesma forma vemos a Igreja orando por Pedro.

    “Pedro, pois, era guardado na prisão; mas a Igreja fazia contínua oração por ele a Deus.”
Atos 12: 5

    Será que já lhe passou pela cabeça, pelo que eles oravam? Será que era para que Pedro tivesse uma morte tranqüila e conformada, ou para que ele não sofresse muito? Será que era para que ele fosse liberto? Ou oravam por um milagre? Creio que a última opção, pois foi isso que ocorreu. Um milagre. Deus enviou o seu anjo e livrou a Pedro das mãos de Herodes em resposta às orações da Igreja que estava na casa de Maria, mãe do evangelista João Marcos. É interessante olharmos nessa passagem a atitude desses irmãos diante da resposta de Deus às suas orações.

    “E, considerando ele nisso, foi à casa de Maria, mãe de João, que tinha por sobrenome Marcos, onde muitos estavam reunidos e oravam. E, batendo Pedro à porta do pátio, uma menina chamada Rode saiu a escutar. E, conhecendo a voz de Pedro, de alegria não abriu a porta, mas, correndo para dentro, anunciou que Pedro estava à porta. E disseram-lhe: Estás fora de ti. Mas ela afirmava que assim era. E diziam: É o seu anjo. Mas Pedro perseverava em bater, e, quando abriram, viram-no e se espantaram.”
Atos 12: 12-16

    Veja que eles se espantaram por ver Pedro solto ali na frente deles. Chegaram a insinuar que Rode estava louca, ou então, acharam que era muito mais fácil a menina ter visto um anjo do que estar dizendo a verdade em relação a Pedro estar à porta daquela casa. Mas eles não estavam orando por isso mesmo? Não estavam orando para que o milagre se realizasse? Então por quê se espantaram? Por quê não acreditaram que Deus havia lhes dado a resposta? Será que estavam espantados com a velocidade da resposta de Deus? Veja que em resposta às orações, Deus criou o portão automático. A porta de ferro que dava para a cidade abriu-se sozinha. Curiosamente a porta em que Pedro teve maior dificuldade em atravessar foi a da casa de Maria onde muitos estavam reunidos orando por ele.

    Será que você se vê como um desses irmãos na casa de Maria? Será que você não consegue enxergar o seu lugar naquele círculo de oração? Será que você não esteve lá quando orou pela salvação da sua família? E a cura de uma enfermidade? Algum problema familiar? Problema de desemprego? Quantas vezes oramos somente por orar ou como que jogando palavras ao ar. Oramos, mas muitas vezes, bem no fundo, não cremos que Deus está nos ouvindo, ou que Ele irá nos responder. Não cremos na vitória, na providência divina. Tiago 1:7 diz, que quem não pede com fé ao Senhor não receberá nada dEle.

O caso do guarda-chuva

    Numa Igreja do interior, numa localidade em que a economia era baseada na agricultura, os membros estavam orando para que o Senhor mandasse chuva para o bom crescimento das sementes que cada um tinha plantado em suas respectivas propriedades. Em um certo dia, em um culto de domingo de manhã, apesar de um sol escaldante, uma menina foi à Igreja munida com o seu guarda-chuva. Logo vieram as críticas: “você está louca, não está vendo que está um calor insuportável e você ainda vem de guarda-chuva para a Igreja?” A menina muito sabiamente respondeu: “Mas nós não estamos orando para que chova?” Glória a Deus! Somente aquela menina tinha fé para crer que Deus faria aquilo que eles estavam pedindo. E o resultado? Somente aquela menina conseguiu ir para a casa porque os incrédulos tiveram de esperar o temporal passar.

Ouvindo a oração de uma criança

    Talvez você esteja se perguntando? Se Deus não responde a orações feitas com incredulidade, por quê então libertou a Pedro em resposta à oração da Igreja reunida na casa de Maria? Querido, preste atenção! Deus não respondeu a oração de todas aquelas pessoas, mas Ele respondeu a oração de uma única pessoa! Você sabe quem foi? Isso mesmo. Foi a de Rode. Deus contemplou a oração de uma menina e comovido por esta oração, enviou o seu anjo e libertou a Pedro.

    Choquei-te com o que eu disse? Choquei-te dizendo que a mão de Deus foi movida pela a oração de uma menina? Por quê? Porque temos a falsa impressão de que Deus só ouve a homens e mulheres privilegiados. Deus ouve e atende a uma oração feita com fé. Não importa por quem tenha sido feita.

A oração que se multiplica

    O que dizer do centurião Cornélio? Gentio, apesar de possuir autoridade terrena dada por César, era desprezado pelos Judeus pela sua condição de gentio. Nunca um Judeu poderia esperar que um anjo fosse aparecer a Cornélio e muito menos dizer isso:

    “Este fixando os olhos nele e muito atemorizado, disse: Que é Senhor? E o anjo lhe disse: As tuas orações e as tuas esmolas têm subido para a memória diante de Deus.”
Atos 10: 4 (grifo meu)

    Um Judeu poderia esperar que Deus ouvisse as orações de qualquer um, menos de um gentio. Deus não só ouviu a oração desse homem, mas através dela gerou um arrebatamento de sentidos em Pedro para que ele reconhecesse que Deus não faz acepção de pessoas (Atos 10: 34). Ou você acha que Pedro se importava se os gentios seriam salvos ou não? Veja o que ele diz neste versículo.

    “E disse-lhes: Vós bem sabeis que não é lícito a um varão judeu ajuntar-se ou chegar-se a estrangeiros; mas Deus mostrou-me que a nenhum homem chame comum ou imundo.”
Atos 10: 28

    Deus não só ouviu a oração de um gentio, mas, através dela, gerou um meio de acabar com o preconceito dos Apóstolos para que depois dele, Cornélio, milhões de gentios fossem salvos. Maravilhoso, não?

    Eu lhe pergunto, pelo que Cornélio tanto orava? Pelo que Cornélio “de contínuo, orava a Deus” (Atos 10: 2)? Veja comigo a resposta:

    “E, no dia imediato, chegaram a Cesaréia. E Cornélio os estava esperando, tendo já convidado os seus parentes e amigos mais íntimos.”
Atos 10: 24

O que Cornélio fez, amado? Cornélio convidou os seus parentes e amigos mais íntimos. Por quê? Porque há muito ele já estava orando por cada um deles. Ele, de contínuo, orava a Deus por eles, e na primeira oportunidade que teve, sabendo que Pedro falaria: “tudo quanto por Deus te é mandado” (Atos 10: 33), convidou-os. Como resultado, todos, inclusive Cornélio, foram salvos, batizados com o Espírito Santo e batizados com água em um só dia. Resultado de uma intercessão simples aos olhos humanos, eficaz, contudo, aos olhos de Deus.

Será que você se encaixa na condição de Cornélio? Desprezado pela sociedade em geral? Você fala e os homens não te ouvem? Talvez você se sinta indigno de orar? Olhe para Cornélio. Indigno de ser ouvido pelos homens, mas ouvido pelo Deus Todo-poderoso.

A intercessão eficaz é aquela que é feita com a fé de um coração puro diante de Deus. Conhecemos e creio que você também conheça casos de pessoas que são salvas por causa da interseção de outros.

Estávamos um dia dando um estudo sobre intercessão e perguntamos para o auditório qual é a definição de intercessor. Dentre a muitas definições que recebemos, uma me marcou profundamente. Uma irmã nos disse que um intercessor é um representante.

Sabemos que quem não é influenciado por Deus, é influenciado pelo diabo (Ef 2: 1,2). - Quando uma pessoa se converte, ela é retirada do reino das trevas e transposta para o reino de Deus (Cl 1: 13) - Esta pessoa está morta em seus delitos e não tem condições por si mesma de sair das garras de Satanás. Então nós, como representantes dela, entramos e saqueamos o reino das trevas com o poder que há no nome do Senhor Jesus Cristo. É por isso que a intercessão é tão importante na evangelização. É imprescindível que antes que se realize qualquer trabalho evangelístico, faça-se oração pedindo ao Senhor que cubra-nos com o sangue de Jesus Cristo; a nós e a nossos familiares, enquanto estamos saqueando o inferno, entrando no terreno inimigo, no nome do Senhor Jesus.

Como dissemos anteriormente, não fixe o olhar para as pessoas, para os problemas, para as tribulações. Olhe para o Deus que prometeu salvar toda a sua família se você tão somente crer nEle (At 16: 31). Mesmo que alguém por quem você esteja orando seja, aos seus olhos, difícil de se converter, Deus quer salvá-lo.

Não importa quem você é e o que acha a respeito de si próprio. Através das suas orações, Deus quer alvoroçar o mundo. Faça-o. Ele está pronto a te escutar.

    Este estudo é parte integrante do livro “A Igreja que alvoroça o mundo”.

Edson Oliveira
edsoniq@uol.com.br

Você se sentiu tocado ao ler esta mensagem ?
Então CLIQUE AQUI !

 

Comente aqui e ajude a divulgar esta mensagem para seus amigos no facebook ...

   

 

 

 

  .::: Sinais dos Tempos :::.
  .:: Boletins ::.
Receba boletins atualizados
do Portal Webservos:


  .:: Enquete ::.

 

•    Quem Somos    •     Fale conosco!     •

Página aberta em: 0,000 segundos

Usuários de Hoje: 9114



Melhor visualisado no Internet Explorer com resolução de 800x600

:: WebServo :: Portal Gospel de Evangelismo Virtual
Desenvolvimento e Coordenação de:
Enéas T. de Oliveira
--=(-wëbsèrvö-)=--