Online: 994
O Uso Permanente do Capacete da Salvação
( 99 visitas )

   


O uso contínuo do capacete da salvação (Ef 6.17, I Tes 5.8) certo tem a ver com a convicção correta acerca salvação em Jesus Cristo, principalmente quanto aos fundamentos da justificação, regeneração e santificação, sendo tudo pela fé nele, com o perdão total dos nossos pecados e pelos exclusivos méritos do Senhor.

Se nos falta esta convicção correta quanto ao em que se fundamenta a nossa salvação, podemos ficar sujeitos aos ataques desferidos contra a nossa mente, e sermos confundidos, e por conseguinte incapacitados para a pregação do evangelho verdadeiro.

Por exemplo, é muito comum se pensar que a nossa aceitação por Deus depende das nossas obras, e não exclusivamente da nossa fé em Jesus e na justificação que recebemos por confiarmos nele.

Quando esquecemos da verdadeira base da nossa aceitação por Deus é comum que ao olharmos para o nosso interior, e constatarmos as nossas muitas deficiências espirituais, que nos tornemos amargurados de alma, que fiquemos insatisfeitos, desanimados da vida, e até mesmo hipercríticos em relação aos erros de outros, pois não olhamos para a graça de Jesus, mas para as nossas obras, méritos pessoais e justiça própria, e neste caminho não se acha a paz, senão apenas tormentos.

Deus prometeu esquecer nossos pecados e iniquidades (Jer 31.31-34) e lançá-los nas profundezas do mar (Miq 7.19). Se Deus está disposto a esquecer, porque nós não deveríamos também, para que possamos ter paz na nossa consciência?

Sem isto jamais poderíamos ser imitadores de Paulo que esquecia as coisas que ficavam para trás e avançava para o alvo da soberana vocação em Cristo Jesus. Ele estava sempre consciente da guerra permanente que há entre as duas naturezas que habitam no crente – a velha terrena corrompida e a nova celestial e santa – de modo que a nossa paz de consciência deve estar sempre em Jesus que nos libertou da lei da servidão ao pecado e da morte.

Este esquecimento das coisas pecaminosas que confessamos e que ficaram para trás, tem a ver com a não imputação de condenação, com livramento da culpa, pois ainda que Deus se lembre de todas as nossas transgressões, todavia ele não as lança em nossa conta por causa de Jesus Cristo, que pagou integralmente o preço do castigo merecido pelas nossas ofensas.

Se não tivermos este capacete de salvação em nossa cabeça, as acusações do diabo ou da nossa própria natureza terrena decaída no pecado nos atormentarão até o ponto de se pensar que sofreremos no céu com a lembrança de nossos pecados.

Pensar assim é desonrar o sacrifício de Jesus, pois não damos crédito de que de fato fez uma expiação completa da nossa culpa para que pudéssemos ter paz de consciência, e também paz com Deus, de modo que ainda que nós mesmos nos lembrássemos de alguma transgressão praticada por nós em nossa jornada terrena, isto não nos traria qualquer tormento pela convicção de que Jesus removeu a nossa culpa, e assim, em vez de tormento, haveria um aumento do nosso sentimento de gratidão a Ele, por tudo o que fez por nós, para sermos plenamente aceitos por Deus.

Um outro ponto muito importante para a manutenção desta paz é o perdão que devemos a todos os nossos ofensores, pois é justo que uma vez tendo sido perdoados totalmente por Deus, também tenhamos uma atitude perdoadora, com vistas ao amor até mesmo a inimigos.

Sem isto, o que teremos será tormento, amargura e abatimento de coração, porque onde não há o perdão, o que prevalece é a falta da disponibilidade da graça da paz de Deus em nossos corações.

Somente Deus é o Juiz da consciência alheia, e então cabe também somente a Ele fazer a devida aplicação da justiça a todos.

Quando fazemos o papel de juízes usurpamos a função exclusiva de Deus em demonstração de um grande desrespeito em relação a Ele, e não seria esta uma posição em que poderíamos contar com o Seu favor divino.

Jesus conquistou tudo pela graça, sem nada exigir de nós, mas devemos ter cuidado para não fazer uso desta mesma graça em relação a perdoarmos outros, e por isso é dito que nossas ofensas são perdoadas se também perdoamos os nossos ofensores.

Não importa o grau ou o tempo de duração das ofensas ou ingratidões recebidas da parte de alguém. O mandamento continua sendo o de perdoar para sermos perdoados.

Sem o perdão de Deus não podemos ter plenitude de paz e alegria em nossos corações, pois é o Seu favor para conosco, em graça, que nos fortalece e anima para o viver diário.






Visite os Blogs abaixos:

Veja tudo sobre as Escrituras do Velho e do Novo Testamento no seguinte link:

http://interpretabiblia.blogspot.com.br/


A Igreja tem testemunhado a Redenção de Cristo juntamente com o Espírito Santo nestes 2.000 anos de Cristianismo.

Veja várias mensagens sobre este testemunho no seguinte link:

http://poesiasdoevangelho.blogspot.com.br/

A Bíblia também revela as condições do tempo do fim quando Cristo inaugurará o Seu reino eterno de justiça ao retornar à Terra. Com isto se dará cumprimento ao propósito final relativo à nossa redenção.

Veja a apresentação destas condições no seguinte link:

http://aguardandovj.blogspot.com.br/

Faça uma visita ao nosso site para leitura on-line de cerca de 190 títulos de livros que temos publicado com comentários sobre todos os livros da Bíblia, sobre Reforma e avivamentos, e vida cristã em geral.

http://25dutra.wixsite.com/livrosdoprsilvio


Silvio Dutra
25dutra@gmail.com
Igreja Orgânica de Jesus na Abolição
Rio de Janeiro - RJ

Publicado em: 9/5/2017


Você se sentiu tocado ao ler esta mensagem ?
Então CLIQUE AQUI !

 

Comente aqui e ajude a divulgar esta mensagem para seus amigos no facebook ...

   

<< Próxima Reflexão

Justificação

Reflexão Anterior >>

Uma Palavra para os Tempos de Sofrimento dos Santos

 

 

 

  .:: Boletins ::.
Receba boletins atualizados
do Portal Webservos:


  .:: Enquete ::.

 

•    Quem Somos    •     Fale conosco!     •

Página aberta em: 0,125 segundos

Usuários de Hoje: 141003



Melhor visualisado no Internet Explorer com resolução de 800x600

:: WebServo :: Portal Gospel de Evangelismo Virtual
Desenvolvimento e Coordenação de:
Enéas T. de Oliveira
--=(-wëbsèrvö-)=--